Andreia Neto - Por Todos Nós

Conteúdo

Programa Eleitoral

GESTÃO E PROXIMIDADE AO CIDADÃO
Santo Tirso precisa da implementação de um estilo de gestão autárquica mais dialogante, mais próximo dos cidadãos, mais gerador de igualdade, mais assente nas parcerias e menos na lógica do sei, quero, posso e mando.

Para isso, pensamos em Santo Tirso como um Concelho Digital, onde se privilegia a transparência e o acesso à informação por parte dos cidadãos, comerciantes, investidores, a diferentes níveis, permitindo o acesso a informação sobre todas as atividades da Câmara Municipal, fase dos processos, requerimentos, licenças, entre outros.

Mas este compromisso não se pode colocar em prática sem a descentralização de inúmeros serviços administrativos e uma maior dose de competências para as Juntas de Freguesia, para que os cidadãos se sintam menos discriminados pela sua distância face à sede do concelho.

É urgente o estabelecimento de Protocolos de Transferência Orçamental da Câmara Municipal para as Juntas de Freguesia. Assim assumimos o compromisso de duplicar o valor global médio dos últimos 4 anos destinado às Juntas de Freguesias, bem como o fomento da criação de Associações de Desenvolvimento Local e a criação de um Serviço Multifuncional de Manutenção de Equipamentos e Infraestruturas, distribuído pelas 4 zonas do concelho.

Também não esqueceremos o compromisso de dignificar a nossa Polícia Municipal, através da sua instalação nas antigas instalações da PSP, junto do Parque D. Maria, o que beneficiará a segurança naquela zona da cidade.
NECESSIDADES BÁSICAS
A Câmara Municipal tem de assegurar a criação de condições de vida equivalentes para todos. Não podemos permitir que os tirsenses se sintam mais confortáveis em Vizela, Famalicão ou Trofa, Guimarães ou Valongo, Paços de Ferreira ou Lousada. Para isso temos que vencer o campeonato das condições básicas, dotando todo o concelho de infraestruturas de saneamento e abastecimento de água.

Para atingir níveis aceitáveis de qualidade de vida, iremos também lançar a Operação “Caminhos de Santo Tirso”, que irá impulsionar a pavimentação de vias, construção de passeios, e obras estruturadamente preparadas para minorar os gastos da falta de planeamento e do eleitoralismo de última hora.
SAÚDE E BEM ESTAR
A Saúde é uma competência direta do Governo, mas a Câmara Municipal não se pode demitir de assumir responsabilidades nesta matéria, para o garantir o bem-estar da população. É por isso que vamos criar um Conselho Municipal para a Saúde e o Programa Escolar de Prevenção para a Saúde.

Paralelamente vamos criar um programa que garanta o acesso a medicamentos a todos aqueles que precisam deles, mas não têm possibilidades económicas para os adquirir, e promover rastreios médicos gratuitos, em parceria com unidades e centros hospitalares e/ou escolas de saúde.

Para a 3ª idade ou idade sénior, para além da criação do Provedor Sénior, fomentaremos o Cartão Municipal Sénior – um guia de benefícios para pessoas com mais de 60 anos. Criar-se-á nos espaços de incubação a Terceira Arte – loja permanente de Artesanato, e fomentaremos, para além dos passeios anuais, a Semana Municipal do Idoso. Criaremos como emblema deste novo executivo, o Parque Municipal Avós e Netos, e iremos criar ou apoiar Centros Integrados de Apoio Social (CIAS) em todas as freguesias.

É ainda essencial apostar nos cuidados dirigidos às famílias mais debilitadas, às pessoas com mais dificuldades em termos de mobilidade, e em isolamento. O desemprego, associado a um baixo poder de compra médio concelhio, e a um elevado custo dos serviços essenciais, levam as famílias para uma situação difícil.

Temos de construir e equipar parques infantis, espaços cobertos de recreio e desporto e instalar nas escolas espaços para formação artística. Privilegiaremos a relação com Núcleos e Centros de Apoio à integração do deficiente nas instituições educativas e culturais e apoiaremos a educação especial e aquela dedicada às crianças em risco.
ATRAÇÃO E FIXAÇÃO DE POPULAÇÃO
Defendemos que um concelho só tem futuro de conseguir fixar o seu capital humano mais promissor – os jovens. Temos de partir para uma política integrada de fixação dos jovens, que passe por mais oportunidades de educação, mais emprego, mais equipamentos desportivos e de lazer, mais e melhores serviços de proximidade, mas também mais habitação a preços justos.

Nada disto é possível sem a criação de um Zonamento pro-habitacional, infraestruturado para construção a preços acessíveis e, depois, a implementação do Programa URBJOVEM. Programa que incentiva a construção de casa própria no concelho de Santo Tirso, reduzindo o custo das licenças, simplificando o processo e encurtando o tempo de decisão, e diminuindo a burocracia, ao mesmo tempo que se promove o Programa Casa – Renda, de apoio ao Arrendamento Jovem.

Mas a fixação dos jovens também se consegue através da criação de infraestruturas para a prática desportiva. A criação de Complexos Municipais, a aposta na Natação e Desportos aquáticos através da construção da 2ª Piscina Municipal, a criação de uma Academia de Futebol integrada no Centro de Alto Rendimento Desportivo, e de um Campus da Juventude, bem como um Parque de Campismo e Caravanismo, um Centro de Desporto Aventura, Zonas desportivas de ar livre, Circuitos de Manutenção, assim como a construção de polidesportivos, irá sem dúvida atrair os mais jovens ao concelho.
DESPORTO
Há necessidade que o nosso Concelho adquira uma nova forma de estar no desporto. É prioritária a realização de uma Carta Desportiva do Concelho. A Carta que propomos está dividida em 4 partes: a carta desportiva associativa, a carta dos equipamentos desportivos, a carta do consumo desportivo e a carta da participação desportiva.

É ainda necessário utilizar critérios assentes no mérito e na equidade de tratamento das associações do concelho. Para tal, um Regulamento de Apoio ao Associativismo Desportivo é fundamental, estipulando os tipos de apoio previstos, que podem ser de natureza financeira, logística, material e técnica.

A marca de fundo passa pela existência de mais critério e justiça na atribuição de subsídios, e a formação de agentes desportivos.

As nossas apostas são:
  • Campus Internacional da Juventude
  • Escolinhas Municipais de Desporto
  • Complexo Paraolímpico
  • Programa Rio Desportivo
  • Festival de Jogos Populares e Jogos de Mesa
  • Voleibol Meeting Point
  • Centro Médico Desportivo Municipal
  • Programa EQUIPAR 2025
  • Fomento do Emprego de técnicos de desporto nas associações desportivas
  • Apoio ao Desporto Sénior
  • Apoio à Formação
TURISMO
Antes dos grandes projetos, temos de lutar pela recuperação, revitalização e pelo maior aproveitamento possível dos nossos recursos patrimoniais, socioculturais e de lazer.

É fundamental o compromisso com a transformação do concelho de Santo Tirso num destino turístico de proximidade, alavancado os muitos equipamentos de iniciativa privada já existentes, aproximando todos os agentes interessados nesta área estratégica para a criação alternativa de riqueza.

Acentuaremos a aposta no Turismo Residencial Sénior e dedicaremos especial relevo à revitalização da oferta turística e hoteleira, com especial enfoque no polo termal das Caldas da Saúde, no complexo golfista de Vale Pisão e no eixo ValinhasMonte da Assunção, fomentando o aparecimento de novas unidades hoteleiras.

Não nos podemos esquecer da atracão de investimento em recintos e parques temáticos, com ligação a serviços de base educativa, como é caso o Campus Internacional de Juventude e a Pousada das Artes, e de apostar definitivamente no redimensionamento das nossas Festas, Feiras e Romarias.

A aposta nos segmentos do Turismo Cultural e Desportivo, bem como no Turismo Religioso serão complementados com a aposta na realização de eventos promotores dos produtos e da gastronomia local, nomeadamente rotas gastronómicas. Os nossos produtos premium – jesuítas, licor de Singeverga, bolachinhas de Santa Escolástica, entre outros - merecerão todo o apoio da autarquia na sua promoção. Tudo isto assentará na elaboração do Plano de Marketing Turístico do Concelho de Santo Tirso.

Relevante para o projeto turístico do concelho será ainda a via pedonal e ciclável a criar, com uma extensão de 10 kms, beneficiando 10 freguesias: Santo Tirso, Monte Córdova, Burgães, Rebordões, S. Tomé Negrelos, Palmeira, Areias, Lama, Sequeirô e Vila das Aves. Esta terá uma grande capacidade de atração de públicos regionais e turísticos, com óbvios benefícios para as atividades económicas locais.
CULTURA
A concretização do projeto do Cineteatro de Santo Tirso é um empreendimento prioritário e essencial para que Santo Tirso assuma a cultura como motor da vida da cidade. O Cineteatro irá oferecer uma programação cultural diversificada e de qualidade, capaz de animar e interessar a cidade e o concelho à semelhança do que já é feito, há anos, nos concelhos vizinhos.

Sentimos ainda a necessidade da definição clara de uma Política Cultural para Santo Tirso, que envolva a participação da comunidade jovem na criação e nos processos culturais, a valorização da riqueza patrimonial, a criação do sentimento e da afetividade, a afirmação pela diversidade artística.

Aqui, a sociedade civil terá um papel determinante, através do movimento associativo. É por isso que queremos dar mais apoio às atividades associativas, mediante estabelecimento de protocolos e contratos-programa, com subsídio à atividade e ao mérito, e com especial realce para o apoio às atividades de formação e criação de novos públicos.

Em concreto, pretendemos criar espaços locais de animação e difusão cultural, como por exemplo, criar Espaços J nas Juntas de Freguesia, apoiar a criação do I Festival Concelhio de Jovens Criadores (FESTIRSO), criar o Centro de Promoção de Jovens Talentos, e criar um espaço multiusos para acolhimento coletivo de jovens criadores, que atualmente saem do concelho.

Como projetos emblemáticos teremos o Áudio Fórum / Laboratório das Artes e o Museu Contemporâneo de Fotografia – Centro de Imagem, em homenagem a Manuel de Sousa, que perpetuará a memória de tantos e grandes ilustres fotógrafos tirsenses, decisão e iniciativa que deveria ter sido tomada há anos atrás.

Ainda na área cultural, destacamos o estímulo à criação de uma Federação Concelhia de Associações Culturais e Recreativas e a reabilitação de espaços, além do Cineteatro de Santo Tirso, o Teatro Eduardo Brazão, e o Cine Aves.
CIDADE E PATRIMÓNIO
Santo Tirso tem de ser uma cidade para o concelho. É preciso desenvolver uma rede integrada de intervenções, orientadas para o conceito de cidade em benefício das pessoas, em articulação com a Junta de Freguesia, comércio e serviços, residentes, potenciais investidores, associativismo, escolas, etc.

Com investimentos âncora, como a atracão de ensino superior, a criação de ninhos de empresas e centros urbanos de incubação de micro empresas, a criação do Complexo Municipal de Desporto e Alto Rendimento (aproveitando o Pavilhão Municipal), a construção da piscina descoberta, a criação da Escola das Arte e Expressões, espaços de acolhimento a jovens artistas como a Pousada das Artes e o ÁudioFórum, a par do reordenamento urbanístico e de um novo conceito de cidade para todos, Santo Tirso vai emergir como grande cidade de lazer e bem-estar, e uma cidade inclusiva.

Para tal, apostaremos na profissionalização da gestão da sua promoção, criando uma Unidade de Gestão e Promoção do Centro Urbano, em estreita e aberta parceria com os representantes dos empresários locais.

Santo Tirso não pode gerar tanta desigualdade de oportunidades entre quem vive na cidade e arredores e quem vive nas freguesias mais distantes. A melhoria das acessibilidades internas e da rede de transportes, no estacionamento será uma conquista do próximo executivo. Temos como objetivo facilitar o acesso aos locais de emprego, aos estabelecimentos de ensino, ao comércio, e à animação noturna, a par da aproximação psicológica e física da cidade ao resto do concelho.
AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE
A sustentabilidade ambiental e a consequente melhoria da qualidade de vida será uma prioridade. A Câmara Municipal deve privilegiar a educação ambiental, e dar o exemplo, e assim o faremos.

Vamos promover o uso de energias alternativas em escolas e edifícios públicos, o que não só é ser "amigo do ambiente", mas também garante eficiência energética e poupanças a longo prazo. Vamos criar um sistema de recolha seletiva porta a porta, de resíduos de embalagens (plásticas e metálicas) e de papel/cartão, em dias de semana e horários pré-definidos, o que permitirá que uma maior percentagem de materiais possa ser reciclada. A par disto, vamos lançar a Operação “Mancha Verde”, projeto de apoio à reflorestação e de criação zonas verdes e de lazer em todo o concelho.

Nesta área pretendemos ainda promover uma relação privilegiada com associações cívicas, de defesa dos animais e de segurança pública ambiental, com particular relevo para o caso dos bombeiros.
EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO
Os pilares da educação são a família e a escola, ou dito de outra forma, os pais e os professores. O papel do Município deve ser subsidiário, quer em relação aos pais, quer perante os professores.

O Município deve um duplo papel, no domínio infraestrutural e no domínio social. Infraestrutural para que a escola tenha as melhores condições materiais para alunos e professores. Social na defesa do apoio aos pais para que todos os alunos tenham condições iguais de aprendizagem.

Aqui enquadra-se também o apoio a nível das famílias. Um dos nossos compromissos é ajudar todos os alunos com dificuldades económicas, de todos os graus de ensino.

No início do ano letivo a Câmara apoiará a compra do material escolar com uma verba de quarenta euros por aluno. As compras terão que ser feitas no comércio do concelho de Santo Tirso.

No entanto, a Câmara não deve apenas assumir as funções que lhe estão legalmente confiadas pela Administração Central, mas também que deve tentar dar resposta a outros desafios.

Pretendemos criar uma Rede Concelhia para a Educação. Esta rede será fundamental para desenvolver a atuação municipal de forma transversal e coordenada, interagindo e integrando os vários agentes educadores, a sociedade civil e os agentes empregadores.

De seguida, temos de assumir, sem rodeios, falsas modéstias ou receios, a atracão para o concelho de atividades diretamente relacionadas com Universidades nacionais e estrangeiras, colocando Santo Tirso na rede universitária, politécnica e da investigação.

As nossas apostas na área da educação servirão também de apoio ao tecido empresarial local, ao termos no nosso concelho mais mão-de-obra e mais qualificada, e como forma de reduzir substancialmente os custos de contexto na atração de novos investimentos. A educação deve ser uma base do crescimento sustentado que todos desejam.

Pensamos ainda medida “Prolongamento da Escola”. As novas realidades laborais de hoje trazem novas exigências aos pais e famílias. É por isso que queremos proporcionar às famílias com filhos em idade escolar, a facilidade e comodidade de alongar o período de trabalho diário, com a garantia da ocupação segura e enriquecedora dos seus filhos.

Faremos isto ao apostar em atividades multidisciplinares para crianças, no aumento de recursos humanos de apoio nas escolas, ao estimular o aparecimento de empresas de Ocupação dos tempos livres.